quarta-feira, 12 de novembro de 2014

They call me superhero


Everywhere I go I meet new people, with new dreams, new stories, life events and a number of scars, good or bad, which compose each one's essence. No one's better than anybody, I think, they're all just loved and/or hated by someone else. And this is a very personal opinion, if I might add.
I've been writing on this blog for almost 4 years now. I think it all came up the moment I stopped enjoying the shadow of my own purpose, or purposes. Obsviously I didn't realize that, at the time. So, back then and since then, I went on and on about this and that, having me in some sort of a sad pedestal.
Well, those of you who still take time to read it (thanks by the way), might be shocked by such revelation, or not, if you could call it that. But don't, a man needs growing, and it takes time to stand on your feet after a few bad falls.
At the end of the day, what matters is what I've learnt. Saying this, I feel almost obligated to refuse my own advices, thoughts and any other pointless figures of speech spread all round these virtual pages. Still, if any of you wishes to re-read them or use it for some self-introspection, be my guest, they might help you as well as they've helped me.
I've used mainly two languages, not because I should, but because it made sense. Mostly, outer space was written in Portuguese, my birth language and the country where I've lived most of my life. The English part appears for many other reasons: the fact that I, somehow, became an ESL (English as a Second Language) teacher during my professional life; the love I feel for the language itself; the simplicity that offers on so many subjects; the expressions; the fact that along the way my BFF (Best Friend Forever), Ana, enhanced her own preference on reading me in English; among so many other reasons, including music.
Looking back to some of its texts, outer space served its purpose. It showed me that I could ask for help. And yes, I needed help! I recall a comment from an English friend once, who confessed she couldn't actually understand my feelings through some of the writings. She couldn't figure out if I was in love, broken hearted, happy, lost or any other appropriate adjective. Well, Susan, that was actually the point!
Personally, I think only the broken hearted can really write. And I'm not talking about love between two people per se, 'cause you can have a broken heart for many reasons. A sick dog can do that for you; The paper that got lost during a clean up. A broken watch. So many things... You need to be at a state of left overs! I mean, who can write about a clean table? But, describing a dirty kitchen, now hat gives you something to say. Obviously a happy man or woman can do it too, but it kind of misses something. The pain! I  believe that an ugly, rotten and used heart is a much better storyteller. But that's just me.
And yes, if you ask if I wrote some barely readable things here? I might...on terrible days when my sadness brought tears to my eyes.
This text is called they call me superhero, I'm sure you've noticed it. Yeah! They do! Not exactly by those words, but it gets there. Who? Everybody.
I'm sort of a likable guy. Despite suffering from a high and tangible envy attack from little people (and by little I don't mean children), most men and women appreciate my company. I laugh easy, tell a few jokes and I'm not that bad in maintaining a conversation. So, I get there.
I also have a few mentionable skills, not to be discussed here, obviously. And these are usually noticed around those BIG FISH friends and family. I love you all by the way!
Yep, they've seen me do things, you know? They know me. And, they call me superhero. They believe in me! More than I did.
I now realise why! I see it! I know why you were not surprised when all these recent past great things came to me. I see it and I'm so sorry for doubting you, for doubting Me actually. It took time, writing, crying, singing and all that jazz.
Some, others, might call me petulant, selfish or over self esteemed. But honestly? See if I care. I don't give a rat's ass (pardon my french).
Oh, I'm not that special, not more than the average guy. I'm just me!
And so, outer space lost its purpose, finally. And I could go on and on about why or why not. It doesn't really matter.
I'm killing a blog, for the second time in my life. Though the first one was at birth (Angola, de malas e bagagens), this one reached a reckless maturity. And so it's time.
Don't worry, I'll keep you posted, somewhere and somehow.

It's just that, I'm OK now.

"You have to look deep into a man to know the nature of his heart"

The end...


terça-feira, 4 de novembro de 2014

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

It



I've got wings now. As pure as the gold in your hair.
And yes, I need to say it. And no, I can't just lay it.

Let birds take it, bees honey it and...wings fly it.
I'd write you a song and play it.

It's so natural, so simple to say it.
And though I don't understand it, I sure feel it and can't explain it.

Where are you now? Where are you laughing now?
In an Irish Pub somewhere? In a hotel room out there?

Make sure the cold avoids you, and the rain escapes you.
Stay warm and fluffy, soft and cosy.

And be good, just like you've said it.
Come back and repeat it.

Sleep well and dream it. Sweet dreams and flying houses.
Lucky clovers, green as grass and red buses.

Tender kisses and stronger hugs.
Sweet goodbyes and simple smiles.



quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Para quê olhar as núvens?

Em horas como aquelas, em que tudo parece possível, esqueço-me do passado. Parecem não mais que lendas contadas por um velho tonto qualquer. Tornam-se não mais que sombras de uma história vivida num livro para adolescentes.
Lembro-me pouco do tempo ou das horas, muitas, entre cada ver e não ver. Esses intervalos não contavam assim tanto, era como se tudo se resumisse a estar ali, naqueles momentos plenos de surpresas, fossem elas boas ou más.
Ali, esqueço-me das mentiras contadas ou das traições de gente malvada. Essas soam, ali, a espaços em branco. E por isso, deixo-me ir.
Procuro desenfreadamente um toque, um odor quente de Inverno ou uma brisa fresca de verão, no encostar de uma mão na outra. Nada mais conta que a sensação daqueles instantes. Passo a acreditar, de novo, que o universo faz sentido e nada acontece sem um propósito que ali me levou.
Lá, olho para as nuvens. Encontro nelas uma canção ou um desejo ardente.

Mas o desengano, de forma usualmente violenta, derruba-me o olhar. Deixa-me tonto, um louco embriagado que se martiriza por chegar ali. Uma insustentável leveza deita-me, de novo, por terra. Ou senta-me numa poltrona, ainda que nova e feita de ouro, que me recebe a cada queda. Mais uma e outra e outra.

Então, sim então, apercebo-me que não vale a pena olhar as nuvens. E não o digo de forma esbaforida ou sequer vingativa. Digo-o com a maior das ternuras porque já ali passei e cheira a um chegar a casa após nova viagem. Mas, é certo, não vale a pena olhar as nuvens.

Nada tem a ver comigo, em essência. Sou um crente inveterado, um romântico fanático pelas histórias que sonho. No entanto e sem planos, deixo o desgaste de uma idade vivida, tomar conta deste crescimento mais seco, ou frio. Perco, por permissão mas perco, a vontade de saber voar, nas mãos de uma nuvem qualquer. E deixo-me levar por uma descrença que já me afaga os sonhos à noite e que me impede de olhar para o alto, porque de facto tal sentido não existe.

Abstenho-me de emoções ardentes ou de olhares mais periclitantes. Sinto que cada vez mais me torno imune.

Para quê, então, olhar as nuvens? Já não faz sentido. Talvez o que eu queira seja, apenas, impossível.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

I wish I hadn't met you, but I'm glad I did.



Over clouds of cotton candy, sparkling lights and dancing stars. 
Talking gods on flying shadows. 
Creepy fears.
Wet goodbyes and crying cheers. 
Truthfull dreams on other men's nights.
Who could tell it? 
A universe closer to the darkness of the infinite. 
Who would say?
Story tellers die that way, knowing nothing but pure feelings.

Going where I go.
Breakfast waitings and shy smiles.
Funny jogging in the morning.
Buses, taxis and other conversations.
I haven't slept.
I wonder why.

Loosing sights and empty hours.
Oceans, roads and shopping centres.
...and the sunset,
painted in small boxes of memory.

Choices.

Cigarette lights, hotel rooms.
Cities and blinding nights.
Mountains, scarfs and other cosy touches.
Souvenirs, drivers and other people's laughs.

Tickets and mixed-up names.
I'm now someone else.

Sharing dinners after midnight.
Crowded moments.
Empty voices.
Friendly chats.
Little times,
 and scents of you.

Beautiful houses.
Diplomacy.
The picture never taken.
Calling me sweet.
Calling you at work.

Funny costumes.
Three world buildings.
Filled up pots that let us free.
Wish I could sing it right there.
Sing for you.

Fast sleeps and happy morning calls.
Sleepy juices.
Combined escapes.
Forced emeralds and Christmas families.

Hard climbs and shared prays.
Never ending views.
Pianos and fireplaces.
Day dreaming of that perfect day.

Corridors, schedules and conveyors.
Flying hours.
Waiting hours.
Lives unveiled.
Lost luggages in competition.
Fast goodbyes, skin to skin.

Watching you go.






quinta-feira, 16 de outubro de 2014

1, 2, 3...vou contar outra vez! (de um outro texto meu)












UM espaço vazio...é aí que estás,
com tanta gente por perto mas sem nexo,
um tempo perplexo à volta de um ser!
Aí estás tu e aí ficarás..até quando?
Sem veres que nas mãos te caem gotas incompletas de chuvas presentes, já é Abril.
Que pena chorar sem te ver partir
oh vento que voa na noite mártir.

DOIS momentos nos separam, o teu e o meu.
Fossem medos antigos ou frases perfeitas,
os nossos abrigos de portas mal feitas,
aqui estão!
Teimosias acanhadas por vozes sábias que me querem amar,
traçam caminhos outrora perdidos no meio do mar!

TRÊS ventos te perseguem, quais lobos "uivantes" no seio do quê?
Olham-te de lado mas nada te fazem com medo de amar.
Que vida perfeita a de um vendaval
que com força te deita no meu imortal.
Partículas de tempos me enchem agora de tempo que é teu.
Não vou nem olhar para esse colar,
que envolve o que me vais dar..

QUATRO alvéolas de sangue permanecem guardadas debaixo da pele.
Foram palmadas bem dadas
por chuvas passadas
sem nada deixarem.
Que caminhos imperfeitos as minhas loucuras que me fazem rir.
Oh gente malvada, que a chuva molhada vos faça partir!

CINCO histórias foram contadas
e aí relembradas
à volta de um ser...
que cenário montado
por nós torturado
só para te ter.
Assim vais...sem futuro ou verdade
que te embrulhe na face
de quem te quer ver.

SEIS cores circundam as vidas que sonham até perecer,
no vale deserto
de um mundo tão certo
do que se fazer.
Não vou conhecer as luzes do centro que me faz olhar,
mas sei as certezas
que sinto nas mesas
do nosso manjar.

SETE fortunas são as que me entendem ao cair do pano...
são calmas sensatas
providas de almas
daquele meu ano.
Foi aí que entendi que por mais que deseje,
por mais que lampeje,
tanto vem do profano.
Oh portas abertas convidem-me a entrar!

OITO encontros, pr'a sentir a pena de te conhecer..
sim, saber que existes
mas que me resistes
com todo o teu ser.
Vai cobrir com sonhos
os antros medonhos
que te querem comer!
E então verás, onde estou e com quem, para sempre sorrir.

NOVE horas à porta da casa que te vê chegar,
onde tudo acontece
mas tudo enfraquece
o meu desfrutar.
Sou homem e espero
saber o que quero
no teu divagar.
Mas lutas perplexas encontram os muros do teu mergulhar..morrerás?

DEZ partes de mim, são como um puzzle sem solução.
Mas rio sem controlo
porque a vida é um bolo
que corto com a mão!
Satisfaz-me saber
que mesmo a perder,
estou no teu coração!


domingo, 12 de outubro de 2014

Hora


Entre tons, sons, vagas de mares às cores. Entre histórias perdidas e outos sabores. Doem-me as gentes que amei.
Cumprimentam-se estranhas, abutres de vidas simples. Comem-me a carne já esbatida de esperanças, esperança maldita. Cortam-me os sonhos, aqueles sentidos que teimam servir-me sobras de mel. E lágrimas, infinitas, de um parco horror que visita estrelas sem brilho. Oh, azul de um céu fugido, dá-me espaço para sorrir.
E em cada gota que brota destas pálpebras, quais alpendres em dias de tempestade, retoca-me a alma que ontem fundiu. Fundiu.
A crença seguiu por entre a multidão. Uma unicidade cruel, a minha, tão repleta de faíscas. Já não há som que lhe valha, a este pedaço de gente vivida. Foi-se de vez, apesar da teimosia de um sonhador. Foi-se de vez. Sentimentos perdidos e achados que violentam memórias de quem me ensinou.
Então ontem vi-te e a ti também, de caras lavadas, entrelaçadas nos momentos de alguém, alguns. Pudessem eles sentir... Mas esta vida, carregada de poesia, premia os valentes cubos de gelo.

Eu Vi coisas. Terras tão distantes, de encantos semblantes. Vivi debaixo de chuvas celestes e enchi olhares de esperança. Florestas em fogo, estrelas cadentes. Eu Vi coisas.
Compreendi, mais tarde, que a inocência de um olhar inexperiente vale mais que o brilho de quem no céu tocou. O viajado assusta, o triste não. Porque tristes todos somos e outros tantos procuramos. Qual equilíbrio mal criado. Já não o reconheço.

Agora sim, percebo...porque me escondem as sombras, porque preferem dormir. De mãos dadas num parco qualquer.

Desculpem-me os de essências provadas...

Tempo de apagar, hora de fundir.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Mordidelas a oriente (porque me apetece)


(inconsequentes palavras mal-dispostas, mal-compostas, literalmente)

Lembro-me de pedir-te junto à ponte.
Eras uma memória futurista sem idade.
Rasgavas sentidos a monte,
farias de mim humildade!
Pedi-te a quem me houve em verdade.

Naquela cidade a oriente, imaginei-te.
Fiz figas de puto sozinho.
E com ramelas de sono, sonhei-te.
Corri sobre barcos em rios de leite.
a sul de um errante caminho.

E perco-te só porque sim!
Porque em chamas todos me vêm,
sobre mim histórias se crêem.
veneram-me em lençóis de cetim.
Quais mentiras de tão pouco de mim.

Foda-se, afinal sou assim tão direito?
Porque me dizem ser rei,
que tudo o que faço é perfeito?
Que nada de errado farei?
Perfeito só num sentido, é que em verdade amarei!




Yelling done!







domingo, 7 de setembro de 2014

This I promisse you

Take time to realize how hard it is to find,
two wondering stars meeting randomly in the universe.
Regardless of their features, they connect.
Regardless of their fears, they explode.
That's how miracles happen,
That's how dreams are dreamt.




segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Estrelas, anjos e outras pinturas.



Hoje escrevo, não para pairar sobre coisas e outras cenas não ditas...ou ditas de formas menos claras e pintadas com pós de imaginação. Costumo usar um pincel tipo arco-iris (yes, I fucking love it) para descarregar fúrias e felicidades neste espaço. Mas hoje não. Hoje, digo-o de forma crua e descolorida. Nada a temer, porque acredito quase sempre no que aqui respiro...ou expiro, tanto faz.
Quando olho para cima, à noite e fora de casa, esqueço-me de contar as estrelas. É facto que aqui, na cidade, tal memória é apagada pela luz. Mas a verdade é que me esqueço que ali estão, tipo anjos que gozam com a nossa existência. No bom sentido, quero eu dizer...afinal, eles sabem mais um bocadinho, de tudo.
Ontem um amigo pintou de negro o seu perfil. Odeio quando o fazem... Não gosto de más notícias! Aquela cor amedronta-me o curto prazo, quando declarada assim, tão cruamente. Odeio preocupações mas preocupo-me. É um Amigo (como hábito, dizemos sempre que são poucos...os Amigos) que publicamente declara um luto, seja pelo que for.
Odeio curiosidades mórbidas e por isso tento estender a mão...não pela razão, mas pela tristeza...a do meu Amigo. E agrada-me saber que ele o sabe.
Há mais uma estrela no céu...pintada de fresco, ouvi dizer. Porque continuo na cidade e aqui a fé nas estrelas é dado adquirido, elas estão por lá.
Triste notícia a que pintou de negro o perfil do meu Amigo. Era seu Amigo e deixa família, pequena e grande. Sensações de impotência, incompreensão, majestosos ódios e palavrões, vale tudo. Nova injustiça para quem trabalha fora de casa, numa qualquer distância, por aí...aqui. Então olho para cima, já sem perguntas porque deixei de as fazer, literalmente.
Pinto apenas mais uma estrela...desta feita com asas. E acredito que ali fica.

...ao Amigo António.




sábado, 23 de agosto de 2014

My thumb ring


I see bracelets and shiny stuff. All around me is in silence...apart from the slow motion song that doesn't leave my mind, over and over again. And my hands are covered by a tan I can't recognise from some Island I've been to.
Outside seems cold, though I'm wearing shorts and a simple white t-shirt with a simbol you pay for. I miss the cold though, and can't remember why.
There's money in the bank, cars in the garage and a closet full of shit. Expensive material everywhere, just because... But the big flat TV's off.
I wish I had a guitar, but I can't play. I'd smash it against the floor, that'd be fun. And by monday some lady would clean it, not me. But then again I was taught to clean my own dirt. By whom I try to remember through pictures and smells.
This is one of those years. All's great but the sense of it I find peculiar. Like I've dreamt a dream that isn't one, but a reality made of water, where everything flows naturally to reach the next. All but one.
I can't help wondering what the fuck I'm doing here. A place where the new replaces the filth. I'm not new, just fresh. And reinvention is my word, every now and again, though it's all in my mind...not surprising for the others, they see the sense in it.
My tattoos express the wild in my thoughts, but they use words of dolls...how beautiful...but it's not. They're the symbol of escape. They're the scream of millions of failed tryouts. I'm still here!
And learn to leave me be. If  I don't answer, don't judge my choice. I hate chatting, sometimes, and I won't play the nice to fill your expectations, not anymore. That's just me.




quarta-feira, 2 de julho de 2014

A million miles away

 

What if one life is not enough? What if the space between each dream or desire is too narrow and the lanes are just not enough? I've dreamt too much, or maybe not, but time is just not long enough.
One life...to make it happen. All of my secrets, all of my wishes, they're just too many. And one life, not big enough.
No complaints though, each time I stop, I know, each one is reached. Without knowing how or why, or just because I've tried hard enough, I find the arrow that shows the way. It's been like that ever since. All I've got to do is be honest about it, wih me, with my own life.
I've stopped planning a long time ago. I've found there was no point in trying to control the path. Took my hand of the wheal. Began to fly without knowing the pilot and let it all flow as such. Why bother, if life is not mine to control?
I just stop, when that time comes. I wait and see. I let it surprise me, good or bad, something's got to give. And give is all I have.
So, I got to know my deepest dreams. Not the ones I thought I knew, but the ones I was prepared for. The ones I was made for. And should I accept them, I came to realize that those would really let me be what I'm meant to be.
Some of us are made to be artists, in our own peculiar ways, others are meant to be loved. Some people were born to make others happy, or to help others simply rule the world. But only some of us know why. I (still) don't.
But there's a price you must pay. One life is not enough if you let yourself go. You dream too many dreams. And if you choose to let time take care of your destinies, you'll find there's not enough space to fit them all. And they can be a million miles away.
You want more. I want more. But the road I follow isn't large enough.
One by one I've been reaching my secret goals, But for that I must pay the price not to choose a single one. Time has shown me I can't stop it. And it goes by.
If you're born to be a jumper, how can you dream of steady flowers? That's the price.
I've dreamt another dream, and once again that dream is taking me away. Away from single flowers, from smaller creatures, apart from a single pair of hands, one heart, for I was born to go far.
And both dreams are too large to cope, a million miles away.


 

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Fumos invisíveis, só pode.



São 22h22, a hora dos patos. O céu cobriu-se de negro numa pacata cidade do Sul, deste país arranhado pela história. Está na hora de escrever, até porque me dá aquele ataque de solidão quando me afasto da casa longe de Casa. Lá está, tenho a sensação que nos últimos 2 anos dormi em mais camas que no resto da vida. Ora um hotel perdido pelo caminho, ora uma casa de alguém, parece que já uso e abuso da minha nova condição...desapegado por tudo e por nada. Que mundo este, o meu.
Então voo sem ter asas, sentado numa qualquer poltrona de mais um avião, onde passo umas horas a recuperar o sono das manhãs de trabalho...e que trabalho. São horas, dias, meses de autêntica devoção elétrica ao que me traz por cá. Um emprego, uma carreira. Que mais? Um amor? Uma paixão assolapada pela minha pessoa e por um orgulho auto-estimável que me continua a fazer correr? Corro! Tanto! E já me canso, muito, até me doerem os joelhos de tanto pensar, stressar e decidir.
Mas ontem acordei feliz, não sei porquê. E hoje continuo. Dizem que exercitar o corpo quando a mente está ocupada cria enzimas de felicidade...se calhar é isso. Booh. Talvez os pesos matinais que teimo levantar ajudem...talvez. Mas deu nisto, ontem e hoje, não sei porquê. Oh imaginação! E sinto-me bem, sem saber de onde vem tamanha moléstia à solidão. Porque olho em volta e hoje estou só, abandonado numa terra que não é a minha, nem sequer é a terra onde vivo, não faz sentido. Porque sorrio? Mas sorrio, é mais forte que eu. Seria bom compreender...mas não.
Uma sensação alegre invade-me. Bem, quando é assim não me queixo, antes pelo contrário. Dedico largos minutos a gozar tal mordomia. É como se voasse, outra vez, mas desta vez em pé. Impossível. E penso. Será que alguém sente a minha falta? Estará ela a pensar em mim? Terei bebido a bebida dos Deuses? Nada faz grande sentido até porque estou cansado e preciso de férias, altura esta em que não me suporto...mas não. Oh que impertinência este contraste humano que só me faz rir. E não fumei nada, disso.
Não sei bem que mais pensar, ou que dizer. Por isso vou calar-me e vou rir para outro lado. Talvez dormir. Sim, vou dormir porque neste quarto de hotel a TV perdeu o sinal e valha-me a internet partilhada pelo meu Note. Senão nem escrevia.
O silêncio já vai alto e a hora não faz barulho. B'noite.

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Maybe lost, maybe not.


Slowly fading after days of no rest. What else could it be? The age of a long-time walker? No! That'd make you an old man. Counting all the secrets and having them burned, oh what piles of books awaiting its turn. Nothing is as it was, or used to be, or how even you'd see it. Maybe you're the one who grew...never thought.
I see you lonely, every night, every day. And recovering from a night of pleasure has lost its spark. You shine differently, you see? But yet your eyes look away. You avoid the confrontation of the who you came to be...you, all over again. Look at what you've done, where you've been, how you've loved. Power over your own existence. 
You ain't lost...not yet. But those little affairs get you tired. Maybe more tired than before, and you're scared. Scared of walls, of the future, of the present and dogs and wales. You lost that freedom, I see it now. Stuck in a moment. Afraid to lose it all, again and again.
Time to face north, to engage on all that's left. Time to feel that feeling. You can still come back.


domingo, 1 de junho de 2014

Delírios, clarividências e venenos aerotransportados


Desculpa, mas estava na hora de mexer nas raízes. Havia um tsunami escondido por detrás de um vulcão esbaforido. E dores internas que lutavam contra um presente sem forma. Isso! Apesar de tudo, tinha de me perder. Lancei-te um último olhar transparente, meio de lado porque queria ser forte, que não me castigavas. Que erros inocentes de um sonhador sem testo. Então perdi-me, talvez...de vez.
Logo dei conta do desespero antipático de um beijo que aí ficou. E que mais responder senão correr em direcções opostas, por um deserto de gente igual? É que todos nós, aqui, fugimos de momentos antigos! Aqui, muda-se a página, nada é porque sim. Difíceis abraços a cactos depenados. Invejas gloriosas que já não o são. E segredos amarfanhados nos bolsos de ganga. É tudo tão falso, mas tão verdadeiro. Qual dualidade de quem vive aqui e aí. Tão sós.
Fazemos tudo por tudo para vos transmitir alegria. Afinal, sem ela não vivemos! E procura-mo-la incessantemente por detrás do Gim especial, de uma dança que nem importa ou de um qualquer encontro fortuito de olhares estranhos. Gritamos bem alto os sons que ouvimos, como anestesia cerebral às saudades que teimamos arrumar.
Aqui estruturam-se os minutos, sabes? E a cada um pertence cada coisa! Defendes-te como podes...porque aprendes que sobreviver ganha sabor a manga. Cada dia é um dia, mais um, aqui. Sabes que pode ser hoje, ou amanhã, o princípio do teu fim, ou o fim do teu princípio. É real! Mas até isso aprendemos a cobrir com histórias nocturnas e fotos de um paraíso azul.

Então perdi-me! Tenho paredes à minha volta e caixas de nomes estranhos que abro a horas certas. Resguardo-me num sofá outrora meu e procuro uma paz podre por entre minutos de delírio. Isto mata, sabes? E dói! Nunca pensei...ou por outra, sempre ignorei. Agora sei, agora...tarde demais. Foi como perder-te. Olhei-te de lado e quis contemplar um deserto sem o teu aroma. Foi aí que me perdi. E perdido luto contra o veneno aerotransportado que a minha história não quis deixar de (também) escrever. É tão difícil! É de uma merda impossível que destruiu a minha relação com o móvel onde me deito todas as noites. Oh cama, outrora namorada de momentos a dois, viraste palco de delírios, bar de noites embriagadas, refúgio de gemidos atordoados. Agora nem de ti me aproximo.

Faço, então, por contemplar um futuro tipo cena de um romance qualquer. Há-de acabar bem! Afinal, a Esperança é a última a morrer e, nesse caso, hei-de ir eu primeiro...mas peço-lhe boleia. Ou trago-lhe o gato, após um pequeno-almoço na joelharia da esquina..pode ser que me beije, então.








segunda-feira, 19 de maio de 2014

Cinzas de um desejo



De mão levantada, à frente do rosto, reclamo por uma (in)dependência perdida. Os sociais planos de gente atraente designam quais os caminhos a tomar. E porque não? Fugir aos sons da telefonia, ou recusar chamadas do além resulta apenas em solidão. Por isso mais vale enfrentar o frete, qual nenúfar banida de um lago de rãs. Então abano a face de um norte para um sul ventoso. Digo sim, que sim, que voarei com os restantes por nuvens nunca tão apreciadas. Digo que não quero estagnar, que vou viver com eternos "desalentos", com asas queimadas pela (tua) linha de fogo. Ardes-me em desejos.
Apesar de ainda não ter ganho a liberdade de um tordo, recapitulo toda a minha existência como um livro de páginas infinitas, onde caio eternamente. E continuo a cair, enquanto voo em redor de uma cama de rede calcada de mosquitos. 
Fazem-me rei de um castelo de areia e convidam-se a entrar. O mar aqui é quente e o sol atinge-nos com fogo. Travam-se batalhas diárias de uma irreverência incandescente. É preciso coragem para saltar, sabes? Aqui! Coragem escondida tantas vezes em sorrisos forçados.
Então aqui estou. Num tempo parado pela distancia. Não consigo sentir esse teu tempo passar. Por isso desejo que não sigas em frente...porque me sinto ainda aí, não agora, mas então. É que tudo o que aqui faço é em pausa, qual standby de um aparelho qualquer. 
Faltas-me nesta caderneta e dizem-te edição limitada, que nem a sorte dos trevos preencherá o (teu) espaço. Por isso resisto, não tenho o que mais fazer...não consigo ficar para trás. Mas queria tanto que me visses agora, estampado num quadro qualquer, numa parede das tuas. Num tempo parado, numa pausa desmedida, que esperasse por mim.


segunda-feira, 12 de maio de 2014

Ruínas

De mãos meias tortas e semblante carregado, aquele vento transparece memórias transmitidas. Sei lá! Não sei...mas 'tá bem! Que queres que te diga? É de uma estonteante leveza, ou vazio. Querer saber mas sem intuitos furtivos de aprendizagem. Não se afiguram soluções ou sentimentos simpáticos. Ou aquele ombro trabalhado que serve de colo. Não passa de um filme actuado e respirado pela condição de ser humano.
Sem explicações!
Um olhar ao passado! Mas...sem explicações!
Construções de ruínas! Lá está...haverá prédios eternos? E as guerras? E a evolução cívica dos inventores? Terremotos, tsunamis, corações fatiados...criam ruínas, é mesmo isso! Construímos ruínas!
Então...retirei-me a arte de construir. Sou um ocupa. Prefiro assim, ocupar construções já pensadas, ainda de pé. Limpo-as, pulo-as, percepciono-as e "brilho-as"...e depois levam-me às outras. Nem para lá olho, mas chego-lhes. Qual limpa-chaminés perfeito e que canta pelo caminho.
Melhor assim!


Vacant in a photograph waiting
This isn't just a hurricane
When you know what's coming,
It's a soul transmission

As we walk through history together
Do you think we still come
from this world we live on?
It's a sole condition

How does it feel
What do you want me to say?
Cos I said it feels like being
Alone on Christmas day

Pretty soon the world will start shaking
Living in a tremolo
And I don't get injured.....!!
In my soul transmission

Sights and sounds
At the end of the day
Make me feel like being
Alone on Christmas day



quinta-feira, 17 de abril de 2014

Falam-me de ti


Tenho saudades tuas! Porra! E apertam-se-me as pálpebras num abanar da cabeça em tons de um não forçado. Saudades de sentir-me teu. De sentir que pertenço a uma terra, a um espaço ou àquelas tuas ruas de paralelos húmidos que brilham em noites de S. João. Saudades do teu casario, enquanto te mandas rio abaixo até ao Atlântico. Da tua chuva e nevoeiro. Do teu cinzento frio. Saudades de vestir um casaco quente, só para te enfrentar.

Eras o palco de tudo! ...foste, o palco de tudo. De Verões escaldantes e belas companhias.
De amizades eternas e outras correrias. Concertos de ares livres e cervejas pelos cantos. Vaidades às cores e invejas assassinas. Entre as tuas paredes chorei e dei gargalhadas sentidas, enquanto me tornava homem do mundo. Fizeste-me sentir fraco, velhaco...e também objecto de tantas cativas que me tinham cativo.
Amei-te, amei-as sem fim porque como tu, viram-se livres de mim. Mas entre os teus cantos cantei vitórias, saltei fogueiras e beijei princesas...do mais belo que há. Ensinaste-me os cheiros de cabelos lavados e de doces lábios...dos corpos de mel.
Conquistaste-me em pequeno. Gaiato da cidade alta, junto ao estádio azul, nasci no teu berço no topo da Camões. Era um domingo chuvoso, contam-me. Então aí fiquei.

Agrada-me saber que te pertenço, ainda que agora te fuja. Estás cada vez mais altivo. Escrevem-te em revistas e dão-te medalhas pelo que sempre foste...não é de agora. E ouço dizer que estás na moda! Fazem-me rir. Não te conhecem, porque sempre foste assim! Mas pensam-te diferente, mais arrojado...a moda é deles...(só) agora sabem o que é bom.

Não gosto de te recordar, porque me dá náuseas abruptas de uma ressaca mal curada. Tudo parece fusco, embriagado, ciumento.
Fizeste tudo para me perder...qual pai violento tipo Boy named Sue do Johnny Cash. Apresentaste-me o mundo e viraste-me as costas. ...e eu fui!




Agora bastam-me as estrelas, já não me contento com as pontes. Habituei-me a zarpar deste Porto da vida. Drogam-me as cidades novas, terras longínquas que me estendem sabores. Lugares infinitos e gentes estranhas que não me sabem falar. Estou agarrado a esta heroína que leva e faz voar. De ti fugi e fugirei, até que me desculpes a ingratidão...mas tenho o mundo nas mãos.



terça-feira, 8 de abril de 2014

Arriscar cada sonho!

 

 
Quem me conhece, quem partilha comigo minutos, horas, dias, sabe que adoro viajar. Sabe que sou produto das minhas experiências e delas falo com emoção. Sabe que procuro, acima de tudo, realizar sonhos! Construo-os, novos e velhos, à medida que passo por cada um e não paro até os atingir.
Já bati no fundo...mais que uma vez...mas, como tantos outros, levanto-me a cada impasse.
 
Perguntam-me porque faço férias sozinho, como consigo, se não me sinto perdido. Respondo que é nesses momentos que passo a conhecer-me como ninguém. E assim passo tempo comigo, sozinho, enquanto vivo experiências e momentos inesquecíveis! E ainda que calado, perdido num país onde ninguém me entende, consigo sentir toda a energia de cada lugar.
 
Tal como tantos outros, estou cá para ser feliz, para atingir cada sonho a que me proponho! Invisto em mim! Porque só assim serei bom, verdadeiro, essencial para os outros!
 
Sem medo! ...so assim cheguei onde já cheguei, fiz o que já fiz.
 
E para mim, o maior dos investimentos é o Amor! Esse não depende só de mim...Por isso não o uso levemente!
O segundo é Trabalhar! Por isso não tenho horários, nem exigências, nem fraquezas, entrego-me por completo!
O terceiro é Viajar! Por isso não perco oportunidades!
 
Isto sou eu! E tu, sabes quem és?
 
Dedico este vídeo a quem quer saber!




quarta-feira, 2 de abril de 2014

The Tree

 
 
There's a tree somewhere. A tree of excitements, of calm thoughts, a tree of parallel universes. A tree somewhere...where we can be quiet and explosive. A tree.
I remember sitting under it at some point. Remember lying on the grass. There were sounds and sents, colors and flames. The sun glazed upon me through its arms. I felt safe.
There's that tree somewhere. Where all shadows remain quiet and dance across my human self.
It grew where all dreams where made. It rose towards the horizon as a picture on my walls. I remember it.
I remember it being so tall, as I grew up, older.
I still remember its smell, of green, of greatness.
There's a tree somewhere...and I'll see it again. I'll sleep upon its shadows, once more.
I just 'got to remember it. I just 'got to find it again.
 
 

segunda-feira, 24 de março de 2014

Espelho

Desde pequeno que a hora mágica me fascina. Aquele momento em que a noite desiste. Prepara-se o dia e a natureza brilha para lá do horizonte, antes da grande estrela espreitar por entre os prédios das cidades por onde passo.
Acordo ao som de leves sons de um telemóvel qualquer, aquele que meto no bolso dos jeans daquele dia.
De mãos nos olhos tento vislumbrar uma face vivida, em espelhos de hotéis ou na casa onde me permitem hábitos de quem ali vive...só eu.
Cabelos grisalhos, despenteados, resistentes ao passar dos ventos. Pele morena pelo sol do hemisfério do calor. Barba dura de 2 dias, ainda que esbranquiçada da experiência.
Aí está um vulto trabalhado. E persegue-me a existência, quando acordo, quando sem consciência me apercebo que é meu grande amigo e companheiro de todas as lutas.
Em pequeno já ali estava, sem perceber que tudo e nada sabia. Foi crescendo ao mesmo tempo que a realidade me assombrava os sonhos. E ali permanece, cada vez que procuro ver-me, seja onde for.
E orgulho-me da sua figura, do que resta daquele miúdo tímido, envergonhado e sorridente. Nos olhos traz memórias sentidas. Sonhos queimados e outros viajados. Projecta filmes de Hollywood do que sabe, do que viu. Orgulho-me das marcas que transporta e das mazelas eternas das quais não se envergonha. É forte como a rocha, simples como um dia de chuva, carinhoso como o algodão doce, mas louco como um dia de verão. Por tudo passou e ainda quer passar.
Apesar das quedas sempre se levantou, aquele vulto do espelho. Foi deixado, torturado, apedrejado pelo bem que fez. Foi censurado, lisonjeado, magoado pelo mal que provocou. Mas ali está. Verdadeiro, Valorizado pelos valores que teima em não perder. É um sortudo...digo eu. Ou azarado...mas com sorte.
Apesar de tudo, ainda hoje conquista sonhos, antigos e novos. E sem saber como, abrem-se-lhe portas. E atinge metas de primeira linha...profissionais, pessoais, sociais e mais umas quantas "ais". Todas! E em tudo se esmera, se aplica, faz o mundo girar!
Mas tem uma lágrima interna, de um sonho perdido. Não domina essa arte, nem quer dominar. Porque o resto dele depende. Mas aquela lágrima não...bendito livre arbítrio. E chora alegremente pelos cantos daquele espelho que o projecta, para si próprio, para mim, para quem o conhece.


quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Rir é obrigatório, ou nem por isso. (sátira às obrigações)



Dei comigo a analisar os meus próprios pensamentos e reacções. Como se uma terceira pessoa, qual espectador de um filme daqueles parados em que as conversas nos prendem ao sofá, analisasse as minhas conversas com os outros.
Há que forçar, ainda que não muito, para ser minimamente engraçado. As gargalhadas são atractivas, atraentes, sensuais, e todos nós nos sentimos gravitados pelos demais quando temos piada. Ou não, está bem, há quem prefira passar despercebido.
No entanto hoje, salvo as tais raras excepções de almas menos brilhantes, parece que nos vemos forçados a rir a bandeiras despregadas para que os momentos sejam conotados de um rasgado "gostei".
Também é normal, certo! Todos queremos passar um bom bocado....a rir. Sinónimo? Será...obrigatório?
Então somos traduzidos em linguagem piadética, analisados pelo que faz cócegas à mente.
Tipo, quase ninguém gosta de uma música triste porque lembra-nos episódios tristes, tipo Romeu e Julieta de um Shakespeare à beira do precipício. Então pomos música alegre, um sorriso forçado e fazemos um esforço para nos lembrarmos daquela anedota brutal que ouvimos uns dias antes.
Não digo isto como uma crítica aos maus hábitos criados pela necessidade atroz de ultrapassar as dificuldades da vida moderna. Não, nada disso, até porque há quem seja sorridente ad eternum. Espíritos livres ou libertos cujas fazes negras começam e acabam entre o despertador e o primeiro café.
Sei que estou a generalizar o individualismo, se assim o posso dizer. Mas quem passa um dia cinzento sem razão aparente e ainda que em boas companhias, perde o passo. Fica para trás. Torna-se transparente. Isto porque, das duas uma, ou tem um problema grave que facilmente dá luz ao interesse dos circundantes, ou então reprova. E ouve um igualmente transparente "queres falar"? Ou um "deixa-te disso" como se se tratasse de uma doença infecto-contagiosa qualquer.
Há, e quando digo é no sentido obrigatório da coisa, que ser intermédio, nem tanto ao mar nem tanto à terra. Torna-se quase mandatório ser engraçado, sem cair em desgraça! E quem não for, fosse!



quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Ainda...

O problema é que não quero viver de meias coisas. Não quero ouvir falar do "quase lá". Quase...qual devaneio mentiroso dos conformados.
Como é que hei-de conseguir demonstrar? Passam-se as horas, os meses, até os anos...e questionam-me. Parece-lhes incongruente a minha solitária consistência. Começam a justificar a singularidade deste, com os gostos daquelas. Mal eles sabem...que para nós, inconformados, amar é mais que físico, carnal, é mais que satisfação ou companhia, mais que um gosto ou uma saudade. Não se trata disso, mas sim disso tudo e muito mais.
Não somos críticos dos (in)fundamentos dos demais. Não! Antes pelo contrário!! Sorrimos verdadeiramente com as paisagens repletas de gentes de mãos dadas. Mas não nos basta sentir o toque dos sentidos. Mas Magia...sim, magia na ponta dos dedos!
Até lá...inunda-mo-nos de orgasmos e paladares, salivas e sabores. Até lá...fechamos os olhos.


quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Ballet pelo Mundo



As vistas daqui são redondas e redondos os cantos onde me encosto. De olhos fixos no chão sorrio baixinho e recordo passagens tortuosas por entre montanhas, praias, florestas e cidades. Oh, nostalgias amontoadas pelas terras por onde dancei e que passei a amar.
Fui capitão de navios, pequenos, de borracha e plástico...só, mas que atravessaram águas cristalinas e afastaram medusas venenosas. Ali, naquelas águas azuis profundas do Mediterrâneo, no centro de um mundo que chamo meu.
Fui piloto de corridas!! E de prego a fundo combati os ventos que pela Europa sopram...contei quilómetros infinitos, por horas perdidas, de dia e de noite. Com chuva, sol, tempestades e tormentas. Não tive medo! Era eu que comandava. 
Enquanto dormia, ao som do "pouca terra", atravessei países e gentes. Fui do Atlântico ao Mar do Norte, enquanto me serviam líquidos de Deuses...e a paisagem corria lá fora, qual LCD realista pregado na parede daquela carruagem.
Voei mais de mil asas e então aterrei no mar. Que aeroporto infinito, aquele Índico, cercado de atóis de areias brancas. E ali fiquei deitado a fitar peixes no paraíso e estrelas do universo.
Fui cowboy pelas areias do velho Oeste. Perdi-me naquelas milhas entre Estados, onde "filmam os filmes" e fechei os olhos em Motéis dignos de acções violentas. Ali, fui feliz entre arranha-céus, onde os passeios jamais ficam sozinhos. Cidade do centro, cidade fantasma dos sonhos de tantos. "Minha" grande maça.
Saboreei fumos de crenças "Rastafari", na terra do "Peace Man" Bob! E lá nadei em águas brilhantes, debaixo de tempestades, ao som do amor Reggae.
Benzi-me frente ao muro dos "outros", lamentei-me pela sorte que tive e cobri a cabeça pelo respeito ao próximo. Vagueei pela cidade velha, entre cantões e religiões, entre as colinas da terra santa, mágica Jerusalém. O deserto escaldou-me, enquanto fingia nadar no mar que não vive...risadas estúpidas por não me afundar. Vi onde Ele viveu e pregou, surrealismos sentidos.
E no berço do mundo agora descanso. Sem querer. Sem me aperceber que sou diferente. Respiro ventos húmidos e deixo cá o meu suor. Contribuo! Prefiro pensar que sim. Nesta terra vermelha escarlate.
Sonho com outras paragens, outras gentes, diferentes. E vivo isso de verdade...sem duvidar que lhes quero tocar. 
Agora, o Oriente espera-me, o longínquo! Onde o atlas termina, onde o mar separa o Este do Oeste. Vou finalmente! Ver terras de olhos deitados, de caracteres gatafunhados e gente pálida. Faz parte de um filme, de um sonho antigo, partir sozinho, sentir a terra do sol nascente.




sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Assim faço a minha história



É certo que viajar está nos planos de todos. É certo, sim, é certo que o mundo é gigante e palco de sonhos por realizar. Então faça-se jus aos sonhos e caminhe-se em direcções certeiras. Nada há a perder, digo eu. E se gastei algum a mais, enquanto viajava, então valeu a pena!!
Aquelas horas sem sono porque o metal precioso, afinal, faz mais falta agora, não se aplicam a quem gosta. ...de viajar, uma vez mais digo eu. Até porque quem viaja sabe que do lado de lá há respostas; investe-se em conhecimento e cresce-se mais um bocadinho. Não que fiquemos velhos, não! Se calhar até o corpo se recente...se calhar...Mas que interessa isso? Até porque o espírito, esse, já sabemos que cria ainda mais sonhos, faz-nos crentes, jovens, atrevidos, conhecedores de outras coisas.
Então viajemos! Não? Nada tem a ver com o facto de eu "vender viagens", não! Nem mas precisam de comprar..."a mim". Arranjem tempo e façam planos. Sentem-se em frente ao PC ou leiam uns quantos livros de viagens. Apliquem-se! Vão ver que é simples.
Ya (como se diz cá)! Ya, requer duas coisas, dizem vocês, tempo e dinheiro. E como tal, quem tem tempo não tem dinheiro...e vice versa. Ok! Até pode parecer que sim, não discuto. Mas já pensaram que uma "simples" viagem de 5 dias pode ser mais rica que os restantes 360 dias do ano? As memórias, as fotos, os momentos, a emoção...bolas, que emoções! Então vale a pena...trabalhar afincadamente o resto do ano, reservar aqueles euros ou dólares num envelope fechado a sete chaves...fazê-lo ir crescendo, devagarinho. Vale a pena escolher viajar, em vez de comprarmos aquele novo e fantástico PC...o velho aguenta-se mais um pouco; deixar o relógio na montra, este ainda dá horas, até o podemos levar connosco.
Eu escolho isso, sempre que posso. E se me esforçar mais um pouco, consigo-o!
Não há como aquela sensação dos dias anteriores, a preparação, o fazer das mala, a imaginação do que vai acontecer. Mapas, GPS's, carregadores do iPad, máquina fotográfica, camisolas, sapatilhas, tudo é importante! Até aquelas calças que "cá" nunca usamos porque saíram de moda...lá ninguém nos conhece...
E podemos ser quem quisermos! Um vagabundo de mochila às costas, um rei de um hotel de 5 estrelas, um fotógrafo perdido pela montanha, ou nós próprios à procura de sonhos ou daquelas imagens eternas.
Escolho viajar...é como amar. É ser feliz por um segundo, sem nada temer. E eu vou, sempre que posso, porque adoro partir e voltar, com mais um bocado de mim. Assim faço a minha história! Livre!


segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

"Queres falar"? Não!



Fáceis são as gargalhadas da multidão ao ver as folhas cair. Esquecem-se que essas morrem, apesar da beleza. Servem de pavimento ao caminho estreito to Outono e amontoam-se aos pés do triste varredor.
Fáceis são os passos em forma de pés torcidos. Símbolos repetidos de uma corrida na praia atrás de não sei o quê, ou como quem foge da chuva. Fáceis.
Escrever uma carta com princípio, meio e fim. Atirar uma pedra ao ar, sem saber o que partir. Comer uma pétala de rosa, só porque sim. Fácil.
Fácil é sentir o sangue pesado, num pagode acentuado, à mesa de um jantar entre pares. Ou mesmo cair desatinado, aos pés dos cortinados e lançar gritos aos ares.
Mas o silêncio dos outros, os olhares de complacência...a ninguém, esses não. Porque hoje decido, ou não, estar mais triste, sem pedir que me socorram, sem deixar que me reparem, já nada disso é fácil. Não para mim, para o outros!
E então somos deixados, nós, os decididos. Atirados para cantos divididos. Porque a normalidade de um dia banal não pode, não deve, ser interrompida. Então há que sorrir...pois. Para não ferir a felicidade dos outros. Porque se vestes de azul, no dia em que vestires de verde abanarás o mundo...dos outros, então veste sempre de azul.
Tremenda imortalidade humana, tamanha falta de fé. Incongruência das incongruências, não aceitar que os outros caiam, com medo de cair também.
Deixem cair os anjos porque voaram demasiado alto, ou então deixem-nos voar. Deixem queimar as beatas de cigarros apagados. Deixem que se calem as bocas que falaram demais. Façam-no porque aceitam que há dias, em que o cómico prefere chorar, a certeza prefere duvidar ou a vida prefere morrer.
Vivam como querem, como sonham, como aspiram morrer...mas deixem os outros simplesmente Ser. Deixem os outros viver!


sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

25 years ago...so many memories to this sound...


Now it all seems like a Teenage American Movie      \m/ ^_^ \m/



Memories... to listen carefully, one at a time... Oh what a ride it all was!





quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Fixed eyes.



Be a squirrel on a bench at sunset,
or a famous flee on a circus in Romenia.
Start howling when the sun rises or for someone you've just met.
Make the best of it and cry tears for those you've let.
Imagine your life as an arch or a round proscenia.

Be human, or yet a lonely being,
full of wonders and thunders in you.
Make them fly, watch them sing,
let them show you what is living.
Or just paint the flowers blue.

But Be, oh glorious You, just Be.
Even when the sky kills the sence of hapiness.
Be a deer, be a sparrow, or make honey as a bee,
and find the truth in what you do, but just Be.
Forget the pain of every step, of loneliness.


quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

I'm still into you.

I'm not sure how it ends, this whole story. I've never met such imperfections, but then again it ain't supposed to be. Oh show me how to get there.
I could make you laugh your life away. But I'm buried under wet and cold fur.
I'd take you in my arms and carry your gold.
I'd kiss you every night, before your dreams. Speak soon enough about making them real.
I still remember the curse of seeing your eyes for the first time. Full of warm mornings.
Remembering your words. Cold hellos and bitter nods. Still, you've noticed me.
Oh gentle world, the one I've lost.
Whisper this and die for me. All I'd ask. But I'd smile for you.
You make the trains stop and clouds cry. It'd all come true.
I'm still into you.
I'm a fool...